Quarta, 27 de Outubro de 2021
71 99208-9314
Polícia Polícia

Empresário é preso no Horto Florestal por sonegação; polícia estima R$ 15 mi

Ações da força tarefa integrada pelo Draco também apreenderam documentos, computadores e outros dispositivos eletrônicos

27/10/2021 09h31
Por: Redação
Foto: Ascom-PC/Tony Silva
Foto: Ascom-PC/Tony Silva

Um empresário foi preso no Residencial Villa Toscana, na Rua Conselheiro Corrêa de Menezes, no bairro do Horto Florestal bairro do Horto Florestal, em Salvador. A prisão ocorre como desdobramento da Operação Invólucro, deflagrada com a participação do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), na manhã desta quarta-feira (27).

No escritório de uma fábrica de embalagens, localizada no bairro do Caji, em Lauro de Freitas, as equipes apreenderam um notebook, dois computadores, dois pendrives, diversas escrituras de imóveis e outros documentos processuais diversos. A polícia estima cerca de R$ 15 milhões sonegados.

Entre os documentos localizados, foram apreendidas diversas escrituras de imóveis em diversos pontos do estado da Bahia. Titular da Dececap, a delegada Márcia Pereira avaliou as ações: “Trata-se de um trabalho executado com maestria por todas as instituições envolvidas nesta Força-Tarefa. Mais importante ainda é coibir crimes financeiros, que refletem em falta de recursos para serviços públicos a serem oferecidos a sociedade”, afirmou. 

Durante a investigação, a força-tarefa descobriu que o gestor das empresas criava empresas em nome de laranjas, dentre eles funcionários de fazendas pertencentes ao investigado. Essas empresas eram posteriormente abandonadas e imediatamente sucedidas por outras, no mesmo segmento de mercado, deixando valores expressivos de débitos tributários e promovendo a blindagem patrimonial do verdadeiro gestor do grupo, preso nesta manhã.

Além da Polícia Civil, a Força-Tarefa é composta pela Promotoria Regional de Combate à Sonegação Fiscal, Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal (GAESF), do Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA), e Inspetoria Fazendária de Investigação e Pesquisa (INFIP), da Secretaria da Fazenda.