E-mail

redacao@baianonews.com.br

WhatsApp

71 99208-9314

gov 06.04 a 05.04
Imbróglio

Prefeito de Feira afirma que Estado abandonou Centro de Convenções e que vai buscar retomada da obra com o governo federal

Colbert fez críticas ao governador da Bahia, afirmando que a obra está abandonada pelo estado e paralisada há 16 anos

26/04/2021 21h18Atualizado há 1 semana
Por: Redação

Em entrevista ao programa Altos Papos, da Princesa FM, na noite desta segunda (26), o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho, tratou mais uma vez das obras do Centro de Convenções da cidade e fez críticas ao governador da Bahia, afirmando que a obra está abandonada pelo estado e paralisada há 16 anos.

“O governo do estado acabou abandonando o Centro de Convenções, precisa retomar, tem 16 anos parado. Nas eleições de 2018, eleições de governo do estado, o governador me ligou, pois, não havia tempo naquela época para fazer esse convênio por causa do período eleitoral, então, em junho, o governador com o consenso nosso, repassou R$ 30 mil para a Prefeitura de Feira para abrir uma janela, para que nós pudéssemos chamar a empresa que fez o projeto para reatualizar todo ele. Nós chamamos a empresa, já que o governo não podia fazer por conta da eleição, a empresa cobrou R$ 300 mil pela atualização do projeto, quando termina a eleição, o estado diz que a prefeitura tem débitos com o governo. Quem pagou tudo isso foi a prefeitura de Feira”, explicou Colbert Filho.

Ainda segundo o prefeito de Feira de Santana, após o gasto de R$ 300 mil com o projeto, o governo não repassou mais nada para a prefeitura. Colbert ainda afirmou que vai buscar a construção do Centro de Convenções com o governo federal. “Foram gastos R$ 300 mil, e o governo do estado nunca mais passou um centavo para a prefeitura de Feira de Santana. Estamos absolutamente abertos, dificuldade nenhuma, pois o mais importante para Feira é o Centro de Convenções, agora, o que não dá é o governo do estado nos fazer uma proposta, a gente aceita, gasta e eles não pagam absolutamente nada, portanto, nós estamos agora buscando o governo federal, que me parece que é o que tem mais sensibilidade para isso”, concluiu.