Quinta, 28 de Outubro de 2021
71 99208-9314
Política Eleições 2022

‘Governos do PT fracassaram no combate à violência’, diz ACM Neto

Democrata se manifestou nas redes sociais após uma série de assassinatos durante o feriadão

14/10/2021 10h11
Por: Redação
Foto: Divulgação / Ascom ACM Neto
Foto: Divulgação / Ascom ACM Neto

Após uma série de homicídios ocorridos durante o feriadão do dia das crianças, o pré-candidato a governador da Bahia, ACM Neto (DEM) se manifestou, na noite desta quarta-feira (13), sobre a questão da segurança pública no estado.

Através da conta oficial no Twitter, Neto divulgou um vídeo onde aparece tecendo duras críticas aos governos do PT. Segundo o democrata “os sucessivos governos petistas fracassaram no combate à violência”.

“O que aconteceu nesse último final de semana e nesse feriado, na Bahia, infelizmente apenas comprova que a violência está tomando conta do nosso estado. A questão de segurança pública está fora do controle das nossas autoridades. Quando a gente olha aqui pra Salvador: homicídios do Porto da Barra até o Uruguai. No interior não é diferente.[…] Não é a toa que a Bahia é o primeiro lugar do Brasil em número de homicídios. Do ano passado pra cá, o número de homicídios no país caiu e na Bahia cresceu. Somente o nosso estado é responsável por 14% do número de homicídios. O que as autoridades estão fazendo?”, pontuou Neto.

Na noite da última terça-feira (12), seis pessoas morreram e 12 ficaram feridas após um grupo armado atirar contra pessoas que estavam em uma festa do tipo ‘paredão’, no bairro do Uruguai, em Salvador. Além disso, no domingo (10), um homem foi morto a tiros na praia do Porto da Barra, um dos ponto turísticos mais famosos da capital baiana.

“São os bandidos tomando conta. A gente precisa de reação imediata. A questão da segurança pública é indelegável. Não adianta procurar responsabilidades em terceiros. Não adianta procurar desculpas. O governador tem que se envolver, tem que encarar o problemas e tem que procurar trazer a solução”, acrescentou ACM Neto.