Terça, 15 de Junho de 2021
71 99208-9314
Política Covid-19

Bolsonaro recusou vacina pela metade do valor pago por EUA, Reino Unido e União Europeia

Enquanto Pfizer vendeu doses a US$ 20 para outros países, oferta para o governo brasileiro chegou a ser de US$ 10 cada uma

07/06/2021 09h05
Por: Redação
Foto: Alan Santos/PR
Foto: Alan Santos/PR

As vacinas da Pfizer recusadas diversas vezes pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) chegaram a ter valor de oferta 50% inferior ao que foi pago pelos Estados Unidos, Reino Unidos e União Europeia.

Consideradas caras em agosto de 2020 pelo então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, até 70 milhões de doses da Pfizer poderiam ter sido entregues a partir de dezembro por US$ 10 cada. No exterior, a doses da vacina foram ofertadas por US$20.

A vacinação antecipada teria evitado mortes e os prejuízos bilionários provocados pelo fechamento da economia. Com um PIB (Produto Interno Bruto) total de R$ 7,4 trilhões em 2020, os R$ 30 bilhões agora previstos pelo Ministério da Saúde para a vacinação brasileira correspondem a um dia e meio de um hipotético lockdown nacional — desconsiderando domingos e feriados.

O valor equivale a 10% do auxílio emergencial pago em 2020 e é menos do que os R$ 44 bilhões previstos neste ano para compensar o fechamento da economia.

Enquanto o Brasil enfrenta escassez de vacinas, EUA e Reino Unido já imunizaram cerca de 40% da população com duas doses das várias vacinas adquiridas e têm economias funcionando quase livremente. Sem contar que os Estados Unidos já começam a exportar doses de vacinas contra a Covid-19.

Ambos pagaram cerca de US$ 20 pelas doses da Pfizer, o dobro do valor recusado pelo Brasil durante vários meses em 2020. Na União Europeia, as doses do laboratório norte-americano custaram US$ 18,60.

No Brasil, com o atraso nos contratos, as primeiras doses da Pfizer chegaram só em abril. Oito meses se passaram entre a primeira oferta e a entrega. Com informações da Folha de S.Paulo.

Pfizer explica preços diferenciados

Em nota, a Pfizer no Brasil explicou que atua com “abordagem de preços diferenciados”, visando garantir que países tenham acesso ao imunizante.

“Aqueles com menor capacidade de pagar pela vacina pagarão um preço mais baixo, de acordo com os recursos de seu governo, enquanto os que podem pagar mais deverão fazê-lo”.