Sexta, 03 de Dezembro de 2021
71 99208-9314
Dólar comercial R$ 5,66 0.411%
Euro R$ 6,41 +0.603%
Peso Argentino R$ 0,06 +0.239%
Bitcoin R$ 329.352,32 -3.506%
Bovespa 105.505,17 pontos +0.99%
Economia Economia

Com teto de gastos sob ameaça, empresas perdem R$ 284 bi em valor de mercado

Petrobras cai R$ 24,15 bilhões na Bolsa em três dias

22/10/2021 09h38
Por: Redação
Foto: Divulgação/B3
Foto: Divulgação/B3

As empresas listadas na Bolsa de Valores brasileira perderam R$ 284 bilhões em valor de mercado em três dias após o governo revelar que poderá furar o teto de gastos para aumentar o valor do novo Bolsa Família. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Na última segunda-feira (18), as ações na Bolsa valiam R$ 4,984 trilhões. Ao final do pregão desta quinta-feira (21), o valor caiu para R$ 4,700 trilhões, segundo dados levantados pela desenvolvedora de sistemas de análise financeira Economatica.

A estatal Petrobras perdeu R$ 24,15 bilhões no período, liderando a lista dos prejuízos, seguida pelas empresas Vale (-R$23,9 bi), Magazine Luiza (-R$ 12,3 bi), Rede D'Or (-R$ 8,1 bi) e Ambev (-R$ 7,55 bi).

O Ibovespa, índice de referência da Bolsa, vem afundando desde terça (19). Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), preocupado com a popularidade às vésperas da campanha eleitoral, determinou que o benefício seja de R$ 400, acima dos R$ 300 estimados anteriormente.

Para cumprir a determinação de Bolsonaro, o governo precisaria furar o teto de gastos –regra que limita o crescimento das despesas públicas.

Para driblar a regra, nesta quinta, o governo e seus aliados no Congresso inseriram na PEC (proposta de emenda à Constituição) que adia o pagamento de precatórios uma mudança na correção do teto de gastos que, na prática, expande o limite das despesas federais.

O conjunto das alterações previstas cria um espaço orçamentário para despesas de R$ 83 bilhões no ano eleitoral de 2022. A manobra causou uma debandada no time do ministro Paulo Guedes (Economia).

Na sequência, a Bolsa fechou em queda de 2,75%, a 107.735 pontos, a menor pontuação desde 23 de novembro. O dólar subiu 1,88%, a R$ 5,6670, a maior cotação desde 14 de abril.